Para interagir, sentir e pensar

Exposições
Interior do cubo do Pensamento / Foto: Bernard Lessa

Pode um museu ter como acervo as possibilidades do amanhã? No Museu do Amanhã, essa pergunta se dilui por suas exposições. Tanto na exibição principal quanto nas temporárias há experiências para o público ver, sentir, interagir, fruir. O objetivo maior, no entanto, é provocar – fazer perguntas mais do que respondê-las. E, atravessando todo este diálogo, está presente um convite essencial do Museu a seus visitantes: vamos, juntos, construir os Amanhãs que queremos.

O percurso da Exposição Principal simboliza este convite. No segundo andar do Museu, o público percorre uma narrativa multimídia estruturada em cinco grandes momentos – Cosmos, Terra, Antropoceno, Amanhãs e Nós –, cada um encarnando grandes perguntas que a humanidade sempre se fez – De onde viemos? Quem somos? Onde estamos? Para onde vamos? Como queremos ir?

O conteúdo da Exposição Principal foi elaborado por um time de mais de 30 consultores brasileiros e estrangeiros de diversas áreas. O Museu também tem parcerias com algumas das principais instituições da ciência do Brasil e do mundo, como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e o Massachusetts Institute of Techonology (MIT).

Nos espaços reservados às exposições temporárias, o Museu do Amanhã apresentou, já em sua inauguração, duas: “Perimetral” – uma videoinstalação sobre a implosão do elevado que durante décadas marcou a paisagem urbana da Região Portuária – e “É Permitido Permitir”, que reuniu três projetos do Superflex, coletivo de artistas dinamarqueses.

Em abril, foi inaugurada uma nova exposição temporária, "O poeta voador, Santos Dumont", que exalta a potência criativa do inventor brasileiro. Com linguagem audiovisual e atividades interativas, o ambiente inclui protótipos das principais criações de Santos Dumont e duas réplicas em tamanho real: o pioneiro 14bis - cujo primeiro voo completa 110 anos em 2016 - e o avião Demoiselle, mais completo projeto do inventor. A exposição tem concepção e realização da Fundação Roberto Marinho, curadoria de Gringo Cardia e consultoria científica de Henrique Lins de Barros.