Seminário avalia oportunidades e desafios na economia de baixo carbono

Observatório do Amanhã
Restauração de paisagens, oportunidade trazida pela economia de baixo carbono / Foto: Domínio Público
Início: 
quarta, 01 de junho de 2016
Término: 
quinta, 02 de junho de 2016
Local:
Auditório do Museu do Amanhã
Horário:
qua 9h-20h30
qui 9h-19h30

Principal aliada na atenuação das mudanças climáticas, a economia de baixa emissão de carbono tem na restauração de florestas e paisagens uma de suas condições básicas, o que gera oportunidades para investimentos, empregos, renda e tecnologia. Para debater este novo cenário, a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, a União Internacional Conservação da Natureza (IUCN) e o Museu do Amanhã apresentam o seminário “Oportunidades econômicas no contexto das mudanças climáticas”, nos dias 1 e 2 de junho.

Veja aqui a programação completa

Empresários, economistas e ambientalistas, além de representantes governamentais do Brasil e da América Latina, irão destrinchar ao público os pilares desta nova economia, destacando a importância do reflorestamento e da restauração de paisagens em todo o continente latino-americano.

Conheça os palestrantes

Além de restauração de florestas, o seminário traz painéis sobre assuntos-chave do movimento atual: agricultura de baixo carbono, bioenergia, Código Florestal, cooperação internacional, economia da floresta tropical, valoração e mecanismos econômicos do carbono. Como eixo temático comum entre todas as mesas, estão as medidas necessárias para implementar as metas do Acordo de Paris, resultante da COP 21, realizada em dezembro de 2015.

  • Inscrições encerradas;
  • Evento gratuito, sujeito a lotação do local;
  • A inscrição não dá direito à visitação ao Museu.
 

O Museu do Amanhã é um museu de ciências aplicadas que explora as oportunidades e os desafios que a humanidade terá de enfrentar nas próximas décadas a partir das perspectivas da sustentabilidade e da convivência. Inaugurado em dezembro de 2015 pela Prefeitura do Rio, o Museu do Amanhã é um equipamento cultural da Secretaria Municipal de Cultura, que opera sob gestão do Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG). Exemplo bem-sucedido de parceria entre o poder público e a iniciativa privada, o Museu do Amanhã já recebeu mais de 4 milhões de visitantes desde a inauguração. Tendo como patrocinador máster o Banco Santander, a Shell como mantenedora e uma ampla rede de patrocinadores que inclui empresas como IBM, Engie, Lojas Americanas, Grupo Globo e Renner, o museu foi originalmente concebido pela Fundação Roberto Marinho.